Total visualizações

31 maio 2012

Os Lusíadas

Relativamente às dúvidas suscitadas e pedidos feitos, volto a publicar as informações de síntese da matéria, incluídas nos nossos PPT usados no 1º período.

Mas atenção: mais do que andar a repetir publicações, é preciso é estudar, rever, treinar!
A epopeia tem, por natureza, um carácter eufórico e de exaltação das façanhas do herói (individual e colectivo, no caso d’Os Lusíadas).
No entanto, Camões – com lucidez e espírito crítico – revela o seu desencanto frente a uma pátria “mergulhada numa austera, apagada e vil tristeza”, intervindo criticamente e/ou didacticamente, sobretudo no final dos cantos.   
  
CAMÕES FAZ REFLEXÕES CRÍTICAS / ADVERTÊNCIAS dirigidas a:
Ø Canto I – Insegurança e fragilidade da vida: “(…)Onde terá segura a curta vida/Que não se arme e indigne o Céu sereno/Contra um bicho da terra tão pequeno?” (C.1, 106)
Ø Canto IV – Ambição e ousadia dos navegantes e suas previsíveis consequências nefastas, a exemplo de Adão, Prometeu, Ícaro; a evidência deste arrojo como próprio da “humana geração”, essa “estranha condição”. (IV, 104)

Ø Canto V – Falta de interesse pelas Artes e as Letras: “(…) não se ver prezado o verso e a rima/ Porque quem não sabe arte, não na estima.” (V, 87); o mesmo motivo será repetido nos Cs. VII e X.
o  Adverte para que os heróis devem às Musas a sua fama, ou seja: o verso/a rima são necessários à imortalização dos heróis: “ Às Musas agradeça o nosso Gama/O muito amor da pátria, que as obriga/A dar aos seus, na lira, nome e fama”
Ø Canto VI – Censura da inacção, do luxo; crítica aos que dormem à sombra dos antepassados, aos que se acomodam;
·     Advertência de que a honra só se alcança com virtude e acção. Necessidade de “árduo sofrimento”, de “trabalhos graves e temores”, do buscar com “seu forçoso braço” a “fama” e as “honra imortais e graus maiores”; (VI, 95-97)
Ø Canto VII – Ingratidão da pátria perante o seu mérito; Camões – “Numa mão sempre a espada e noutra a pena” – lastima a falta de “prémio” (reconhecimento) por parte “daqueles que (…) cantando andava”;
Ø Canto VIII – Poder corruptor do dinheiro; este “faz traidores e falsos os amigos”, “A mais nobres faz fazer vilezas”, “Os juízos cegando e as consciências”, “faz e desfaz leis”; o dinheiro “corrompe” e “ilude”; (VIII, 96-99)

Ø Canto IX – Censura das “honras vãs” -  cobiça, avareza e tirania infame – que “verdadeiro valor não dão à gente” por oposição às “riquezas merecidas” [leis justas; feitos de armas]; (IX, 92-94)
·Advertência de que o ócio transforma o livre em escravo: “Se quiserdes no mundo ser tamanhos, / Despertai já do sono do ócio ignavo [indolente], / Que o ânimo, de livre, faz escravo.”
Ø     Canto X – Cansaço de cantar “a gente surda e endurecida”; Crítica à cobiça, avareza e tristeza moral da pátria: “metida no gosto da cobiça (…) apagada e vil tristeza”

MENSAGEM

Ø   É publicada num momento que o poeta considera triste, de falta de arrojo criador, de crise de identidade nacional

Ø   Conjuga características da épica e da lírica:

§    Épica: matéria histórica/glorificação dos heróis
§    Lírica: expressão da subjectividade do “eu”; “sonho de um sonho”; leitura interpretativa e pessoal 
Ø    Tem um carácter:

o   Profético

Ø A profecia do V Império, com dimensão espiritual;

Ø A presença de um sebastianismo renovador;

Ø D. Sebastião como figura tutelar e inspiradora


o  Simbólico e mítico – valorização duma leitura mítica da História de Portugal, carregada de simbologia:


Ø Sinais, avisos, sagrações…
Ø Elementos da mitologia, da heráldica, das sociedades secretas

o  Esotérico

Ø  O poeta surge como: mediador, voz, profeta: estabelece a ligação entre Deus e os homens, na revelação dos mistérios divinos de Portugal.


Ø O poeta, tal como a pátria, tem uma missão sagrada.

Ø             O            O herói (arquétipo do português)  é:

·      Consagrado a uma missão

·     Agente de uma vontade transcendente e divina
·     Capaz de estar à altura, de ler os sinais e agir em conformidade:


Ø  Sente-se impelido/ é chamado


Ø  Planeia/ sonha


Ø  Age


·     As figuras históricas que desfilam na Mensagem valem pelo ideal que representam: valentia, arrojo, previsão, fé, «loucura», sentido de missão…


Ø Visão sacrificial e empreendedora da heroicidade: “Quem quer passar além do Bojador/Tem de passar além da dor”; “Valeu a pena? /Tudo vale a pena/Se a alma não é pequena.”, “O esforço é grande, o homem é pequeno”

29 maio 2012

Exercício - Memorial:avaliação e melhoria


Ainda não é altura para abrandar.
Sei que estão cansados, mas já falta pouco...embora não seja um caminho fácil.

Agora, para cada um de vós:

Lembra-te do que era pedido no exercício:
- O presente exercício escrito destina-se a avaliar:
  • conhecimentos de leitura do romance Memorial do Convento, de José Saramago;
  • seleção, análise e interpretação de informação pertinente;
  • usos estéticos da língua/recursos e figuras de estilo recorrentes na escrita do autor;
  • reflexão sobre temática da obra;
  • aplicação das regras da língua e das convenções da escrita;
  • conhecimentos gramaticais nas áreas da sintaxe, do léxico e da pragmática;
  • expressão escrita – comentário, breve, sobre ponto do programa; texto
        expositivo-argumentativo.


- Para o grupo III, usar os descritores de desempenho previstos nos Critérios de Correção
de Exame,


- Relativamente ao grupo I - questão B, faz o balanço do teu desempenho, com recurso
à ficha de autoavaliação e melhoria (semelhante à usada no 1º período, para
perceberes progressos e zonas difíceis):
 

  Turma 12º…………….Nº …………. Nome do aluno ……………………………………………………………………………..Data……………..

PLANO
SIM
NÃO
TEXTO
SIM
NÃO
O plano está organizado por tópicos?


O texto segue exatamente a estrutura/ sequência prevista no plano


O plano ocupa mais espaço que o texto?


Incluí todos os tópicos que registei no plano?


Usei algum tipo de hierarquização/ organização (tópicos,enumeração, alíneas)?


Inclui mais aspetos do que registei no plano?


As frases utilizadas no plano são curtas e diretas?


Estão delimitados, no meu texto, uma abertura (pode ser o enquadramento) e uma conclusão (ou parágrafo-síntese)?


Optei por períodos breves?


Fiz o enquadramento na obra, referindo importância e significado social e simbólico?


Optei por parágrafos com uma ideia completa?


Dei sempre exemplo(s) do texto para todas as afirmações que fiz?


Inclui citações completas de exemplos?


Fiz parágrafos completos – uma ideia, sua justificação/explicação e respetivo exemplo?


Inclui todos os pontos de abordagem previstos no enunciado?


Referi aspetos “teóricos” (características da escrita, do narrador, etc.) que não expliquei/ e/ou exemplifiquei?


Inclui pontos que não tencionava tratar mas que achei importante referir?


Acabei o texto com a referência a um aspeto particular ou um exemplo específico?


Dei relevo à conclusão que pretendia incluir?


Acabei o texto com palavras próprias que retomam, sem repetir, a questão introdutória



Conclusões e plano de melhoria

Conclusões/observações sobre o plano


Conclusões/observações sobre o texto








Para melhorar o plano, necessito de:
Para melhorar o texto, necessito de:









Comentário da professora: