Total visualizações

25 abril 2011

Esquemas, Citações e Indicações bibliográficas




ESCOLA SECUNDÁRIA HENRIQUES NOGUEIRA

PORTUGUÊS, 11º ANO

profª Noémia Santos

Como ler e fazer esquemas[1]

Um esquema é a representação e interpretação simplificada de uma realidade mais complexa. A sua utilização ajuda-nos a compreender e a recordar os acontecimentos, a estabelecer relações entre eles ou entre diversos factores e a compreender a influência que esses acontecimentos ou factores exercem uns sobre os outros.

Há vários tipos de esquemas: lineares, quando organizam a informação na horizontal e na vertical; circulares, se organizam a informação em círculo; piramidais, se a informação se dispõe em forma de pirâmide; e sistemáticos, quando a informação se organiza em forma de quadro, representando as relações de interdependência de um fenómeno.

Como ler um esquema

1º Identificar o seu conteúdo, isto é, o tema, a data e, eventualmente, o lugar;

2º Ler a informação tendo em conta os diferentes tons de cor, a forma, a direcção e espessura das setas de união.

3º Interpretar a informação, estabelecendo relações entre vários fenómenos, seguindo a direcção das setas. Uma seta pretende dizer-nos que um acontecimento ou um fenómeno teve “determinada consequência” ou “conduziu a”.

4º Escrever um comentário – começa por identificar o conteúdo, faz a descrição ordenada da informação e depois tira uma conclusão, que deve ser a interpretação das relações entre os diversos dados apresentados.

Para construir um esquema

1º Ordenar a informação.

2º Escolher o tipo de esquema mais adequado.

3º Utilizar a mesma cor e a mesma forma para todos os elementos de um mesmo tema.

4º Colocar adequadamente as setas, considerando que a ÷ significa causa/efeito e a seta ø quer dizer inter-relação.

5º Usar de forma correcta o traço mais espesso ou menos espesso e a linha contínua ou tracejada para expressar uma relação mais ou menos importante.

6º Escrever as palavras na horizontal e com letra legível.

Como fazer citações, notas e indicações bibliográficas[2]

1) Citações no texto
– citações curtas: em letra redonda e limitadas por aspas. Quando o texto citado contiver segmentos entre aspas, deverão, neste caso, usar-se aspas simples. Exemplo: “Tudo aquilo que aparece nas épocas cruciais da História é comparável com as ‘emergências’ de que falam os biólogos e certos filósofos”.

– citações longas (mais de quatro linhas): em parágrafo destacado no texto, avançado 1,5 cm à direita (Formatar > Parágrafo > Avanço > Esquerda: 1,5 / Direita: 0 // Format > Paragraph > left: 1,5 / right: 0), letra redonda, corpo 11, espaçamento simples, sem aspas. Exemplo:

Apesar da impossibilidade em que ainda hoje nos encontramos de elaborar um repertório completo e preciso dos centros de produção de livros, e de fornecer um apanhado quantitativo dessa produção por épocas e regiões determinadas, é, no entanto, possível delinear, de modo bastante exacto, as condições em que o livro era elaborado e difundido nos séculos XIII, XIV e XV.

2) Notas
Em rodapé, fonte Arial, letra redonda, corpo 8, espaçamento simples. As citações em notas seguem a norma adoptada para as citações curtas no texto.


3) Referências bibliográficas
Fazem-se abreviadamente em nota de rodapé. A forma abreviada remeterá para a bibliografia, a apresentar no final, e incluirá apelido(s) do(s) autor(es), primeira ou primeiras palavras do título e páginas citadas. Exemplos:

Na nota:
Anselmo, “Geografia”, pp. 34-35
Febvre, Martin, O Aparecimento, p. 12.

Na bibliografia:
ANSELMO, Artur, “Geografia da proto-imprensa cristã em Portugal”, Actas do Colóquio Sobre o Livro Antigo, Lisboa, 23-25 de Maio de 1988, coordenação de Maria Valentina Sul Mendes, Lisboa: Biblioteca Nacional, 1992, pp. 33-37

FEBVRE, Lucien, MARTIN, Henri-Jean, O Aparecimento do Livro, tradução de Henrique Tavares e Castro, revisão científica de Artur Anselmo, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000


Não serão usadas, nas notas, expressões como "op.cit." ou "idem" para indicar bibliografia.


4) Bibliografia

A lista de referências bibliográficas deverá ser organizada por ordem alfabética e apresentar-se em fonte Arial, corpo 11, espaçamento simples, espaço duplo entre cada entrada bibliográfica.

Vejam-se os exemplos acima, para registo de livro e de texto individual em volume colectivo. Eis exemplos de artigo em revista e de edição crítica:

Cepeda, Isabel Vilares, “Uma versão portuguesa do Libro de las Tres Creencias”, Revista da Biblioteca Nacional, série 2, vol.1, n.º 1-2, 1986, pp. 217-224

Livro das Obras de Garcia de Resende, edição crítica, estudo textológico e linguístico de Evelina Verdelho, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994


No caso de duas ou mais entradas bibliográficas do mesmo autor, o seu nome deverá ser sempre registado e nunca substituído por traço, aspas ou qualquer outro sinal.

O apelido do autor deve ser formatado em versaletes (maiúsculas pequenas).


[1] In página da Escola Secundária de Pedro Nunes .

Guiões de trabalho - Contrato de Leitura



Animação de leitura do livro PÓ DE ESTRELAS, de Jorge Sousa Braga,
no Café Império, 7 de Abril de 2011

A fim de melhor prepararem a intervenção em aula, a partilha de leituras e o texto de reflexão/opinião que terão de redigir, deixo os guiões de trabalho para cada um e para os grupos que tenham lido o mesmo livro, numa segunda fase. Podem imprimir ou fazer no caderno.

CONTRATO DE LEITURA

Identificação

Bibliográfica

Nomes do(s) aluno(s) leitor(es) deste livro

Género/Sub-género

Registo (sério, cómico, mordaz, crítico...)

Breve síntese do livro (não exceder 10 linhas)

Tema/problema/situação humana sobre a qual se reflecte

Aspectos/pontos geradores de possíveis diferenças de opinião ou controvérsia interpretativa


Frases/passagens lapidares [indicar página(s) ]

Contributos do livro para a compreensão da vida/das pessoas/do mundo

Aspecto menos conseguido/apreciado

Informações com interesse sobre o autor e a fortuna do livro

(edições, recepção do público/da crítica, possível adaptação ao cinema/teatro...)

CONTRATO DE LEITURA

Fase II

Agora que já discutiram o livro e registaram as vossas conclusões, está na altura de pensarem no TEXTO CRÍTICO. Assim:

  1. Leiam, com atenção, exemplos de CRÍTICA DE LIVROS publicadas em jornais e revistas, por ex., ler on-line:DN - http://www.dn.pt

Público - http://www.publico.pt/

Visão - http://aeiou.visao.pt/

  1. Decidam o tipo de crítica que desejam fazer, o registo que querem adoptar e planifiquem o texto (nos cadernos).
  1. Escrevam o vosso texto.

NOTA: Se houver computadores disponíveis e assim o preferirem, podem escrever directamente no blog.



Atenção turma A:
Há a maior brevidade em fazer esta tarefa, devido à data para a qual está marcado o exercício

Roubar Histórias às Estrelas

Uma noite de festa e de surpresas... quase 500 pessoas aceitaram o desafio!

Foi uma forma diferente de juntar a literatura e a ciência, o gosto pela escrita, pela leitura, pelas palavras, pela noite!

Quem tiver boas fotografias, mande para o meu e-mail ou leve para a escola! Vamos fazer um filme com tudo o que houver de melhor.








Sabores de Cada Saber


Um obrigada a todos os alunos que ajudaram a construir esta acção de partilha de saberes e leituras com a comunidade.






7 de Abril de 2011

03 abril 2011

Concurso Nacional de Leitura 2011

Carta para os senhores encarregados de educação

dos alunos participantes nas provas regionais

6 de Abril, Biblioteca Orlando Ribeiro, em Lisboa, 10h30

Saída de T. Vedras - 8h50

Alunos representantes da Escola:

Filipe F., Emanuel e Patrícia

11º ano


Autorização para captação de imagens, pela RTP