Total visualizações

10 julho 2010

Uma última ajuda

Quadro de Pedro Chorão. Foto: N.S.

Meus caros alunos que se vão apresentar a exame, na 4ª feira

Para facilitar um pouco a vossa vida, criei alguns "posts" sobre a matéria e recuperei outros que estavam lá para trás. Assim fica tudo junto.

Bom trabalho! O fundamental é: ler o enunciado com muita atenção, não alongar demasiado as respostas - para evitar descontos nos erros - e, na III, fazer tópicos, registos de ideias e vocabulário, ter um fio condutor e só depois avançar para a escrita.
Respirar fundo! Não andar aos saltos nas respostas. Fazer cada grupo de uma vez. Comecem pelo que sabem melhor.

Atenção Filipa - concordâncias, preposições, ligações descontam 2 pontos! Calma e tempo para rever.
Atenção Fábio (do PTG) - aposta na interpretação e no desenvolvimento. Lê o texto da III antes de entregar. Vê se ficas convencido. Tem de ter coerência.

A todos - Boa sorte!

SEGUNDA À TARDE POSSO AJUDAR, SE PRECISAREM.

O poeta da Natureza

O Poeta da Natureza, Alberto Caeiro, é um guardador de rebanhos. E os rebanhos são os seus pensamentos.
Este filósofo anti-filosofia afirma que o seu olhar “é nítido como um girassol” e que anda a passear e a olhar o mundo, sempre com o pasmo que uma criança tem ao ver o mundo quando nasce “se, ao nascer,/ Reparasse que nascera deveras…”. Acredita na eterna novidade do mundo, no que os sentidos lhe transmitem e que o importante é o “agora”. Pensa com os sentidos enquanto deambula pela vida: “Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la”.“Pensar é estar doente dos olhos”, por isso não devemos reflectir sobre as coisas, devemos olhar para elas e vê-las, e de todas as vezes que olharmos para trás e as virmos, devemos vê-las como algo novo que são, não ver a Natureza por dentro “Porque a Natureza não tem dentro/ Senão não era Natureza.”.
A lição mais importante que Caeiro tem para nos ensinar é vivermos em comunhão com a Natureza, aceitá-la tal como ela é sem reflectirmos sobre o assunto e absorvê-la com os nossos sentidos, livres de preconceitos e de imagens predefinidas. Este poeta da Natureza não é só o mestre de Pessoa e dos outros heterónimos, é também o meu mestre e deveria ser o de todos nós.“Pensar incomoda como andar à chuva” e eu hoje não me quero molhar.
A. Catarina, 12º H

Imagem: poloroid tirada pelos alunos no atelier sobre Cesário Verde, em 2007. Acho que é uma boa companhia: Cesário, mestre de Caeiro, mestre de Pessoa.
A Mensagem apresenta uma leitura simbólica e mítica da História de Portugal.

 O que em Os Lusíadas é acção/história, na Mensagem é ideal/mito.

 Parte de um núcleo histórico concreto e de personagens com existência histórica (como Os Lusíadas), mas o que interessa ao poeta, o que une todos esses “heróis” (ganhadores ou perdedores), é:
  1. o seu lado ideal e mítico
  2. o cumprimento de uma missão maior a que foram chamados
  3. a “febre d’Além”
  4. a grandeza de alma insatisfeita
  5. o sonho que eleva a humanidade acima da “besta sadia”.

Tem por base a ideia mítica do destino (ou desígnio) dos povos para determinadas missões:


“Deus ou os deuses talharam o destino dos povos.”
(J. Prado Coelho)

A Mensagem representa o “elogio do Português, desvendador e dominador de mundos”, enquanto ideal, procura de Absoluto.

O Império Português do Século XVI é visto como um “obscuro e carnal arremedo” desse outro Império Espiritual por achar:
“Cumpriu-se o Mar, e o império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!”

A situação de Portugal do seu tempo:

“uma época da pátria em que havia minguado a estatura nacional dos homens (...) um presente infeliz”
Um tempo de “inquietação e angústia”
“Ó Portugal, hoje és nevoeiro...” (Nevoeiro)
“Este fulgor baço da terra/Que é Portugal a entristecer - /Brilho sem luz e sem arder” (Nevoeiro)


A força do espírito
“O esforço é grande, o homem é pequeno”
“A alma é divina e a obra é imperfeita.”

( O Padrão)

“contra as artes e as forças do espírito não há resistência possível”
“Todo o império que não é baseado no Império Espiritual é uma Morte de pé, um Cadáver mandando.”


Mensagem e o Modernismo
http://www.prof2000.pt/users/hjco/mensagem/

Análise de poemas (não perder muito tempo; só para confirmar algum aspecto)
http://www.umfernandopessoa.com/analise-poemas-mensagem.htm

Leituras de FP

Na poesia do Fernando Pessoa, pode-se referir o poema “Autopsicografia”, como uma descrição do poeta, em que este exprime um fingimento artístico e uma dor sentida e escrita. “ O poeta é um fingidor / Finge tão completamente / Que chega a fingir que é dor / A dor que deveras sente.”. Há uma enorme adesão de Fernando Pessoa ao uso de binómios: neste poema o poeta faz uma relação entre duas unidades opostas a da sinceridade - fingimento. Como conclusão, na “Autopsicografia” surge uma metáfora entre o coração e o comboio de corda que entretém o coração.

Outra característica na poesia ortónimo de Fernando Pessoa é a evocação de um espaço do passado; em muitos dos seus poemas a principal temática é a sua infância, descrita como um paraíso perdido, como um tempo que jamais voltará. Quando Fernando Pessoa faz uma reflexão sobre a sua infância evoca sentimentos de felicidade e um desejo infinito de lá voltar, comparando com a sua vida actual recorda a infância “como um tempo de ouro” “E eu era feliz? Não sei: / Fui-o outrora agora”.

“Viajar! Perder países! / Ser outro constantemente / Por a alma não ter raízes / de viver de ver somente.” Neste extracto do poema é notável o desejo de mudança que Fernando Pessoa alimenta durante toda a sua poesia, um desejo de liberdade, de leveza, de não ter um sítio para chegar, de não se fixar num lugar. Conclui-se, então, que na poesia do ortónimo, o sujeito poético é uma pessoa consciente, com um desejo de mudança, de imaginação, de criação, como o próprio diz: “eu não sou sonhador, mas sou um sonhador exclusivamente”. Utilizando toda a sua consciência e racionalidade, Fernando Pessoa procura conhecer toda a humanidade através de si próprio.

Trabalho enviado por João Félix

Criança, gato, ceifeira...

Em Fernando Pessoa ortónimo existe uma personalidade poética activa, que conserva o nome do seu criador. O ortónimo (no poemas que estudámos) centra-se em três criaturas simples: a ceifeira, o gato e a criança. O poeta ao pensar nestas criaturas alegra-se e entristece-se simultaneamente. No poema dedicado à ceifeira, esta canta pensando que é feliz, o poeta quer ser como ela, inconsciente, não ter de pensar nas coisas e, contudo, ter a consciência de toda a inconsciência, como se pode ler nos versos “Ter a tua alegre inconsciência / E a consciência disso!”.

Já no poema “Gato que brincas na rua”, Fernando Pessoa deixa evidente a temática da fragmentação do “Eu”, referida nos versos “Eu vejo-me e estou sem mim / Conheço-me e não sou eu”. O sujeito poético compara-se com o gato até mesmo no que diz respeito a este tema e pode-se confirmar que, ao contrário do “Eu”, o gato não[vive a angústia da dispersão do eu, da fragmentação existencial]  através dos seguintes versos: “És feliz porque és assim / Todo o nada que és é teu”.

O tema da criança está presente em diversos poemas da obra do ortónimo, “O Menino de sua Mãe”, “Quando as crianças brincam” e “Pobre velha música”, põe exemplo. Em todos estes poemas, o sujeito vai “sentir” uma nostalgia em relação à infância, ficando com pena de não a ter vivido com a intensidade que desejava, conforme se pode constatar nos versos: “Quando era criança”, “Quando as crianças brincam”, “E toda aquela infância / Que não tive me vem” e “Nessa minha infância / Que me lembra de ti”. Este tema para Fernando Pessoa e seus heterónimos merece um ponto de destaque. Sendo a criança uma criatura livre, despreocupada, a infância também o vai ser, sendo esta chamada a idade d’ouro.


Ricardo Pinto 12º C

Fernado Pessoa - Um quarto com muitas portas!

"Sê plural como o universo!" Pessoa inventou muitas pessoas
Fernando Pessoa procura através da fragmentação do “eu” a totalidade. A tensão entre o material e o sonho, o real e o ideal, entre querer e fazer surge como tentativa para encontrar a unidade entre a experiência sensível e a inteligência.

***************************


Depois de teres lido os poemas ortónimos sobre a temática da infância, ouve agora o poema Aniversário, do heterónimo Álvaro de Campos (incluído no Manual), para perceber de que modo a criança "de outrora de hoje" atravessa vários poemas:
Ouvir Aniversário (Universade Aberta)

Outros sítios com os textos, elementos biográficos e/ou iconografia de Fernando Pessoa:
A obra de Fernando Pessoa (na Biblioteca Nacional)
Instituto Camões (língua, cultura e literatura portuguesas)
Virtuália (blogue em português do Brasil; tem informação fiável e boas imagens)As Tormentas (informação sobre a vida e a obra de escritores portugueses)
Vidas lusófonas (idem; inclui citações do próprio escritor...)
Prof2000 (notas, apontamentos, análises temáticas sobre o poeta e os heterónimos; serve para apoiar o estudo, mas deve ser consumido moderamente, pois tem muitas "ideias feitas" sobre o assunto).

09 julho 2010

Fernando Pessoa




Não sei o quê desgosta
Não sei o quê desgosta
A minha alma doente.
Uma dor suposta
Dói-me realmente.


Como um barco absorto
Em se naufragar
À vista do porto
E num calmo mar,

Por meu ser me afundo,
Pra longe da vista
Durmo o incerto mundo.
        
Fernando Pessoa

Deixo algumas ligações

 Biografia
Modernismo/Fernando Pessoa - com alguns comentários e textos sobre o poeta
Biografia e poemas do ortónimo e heterónimo
Informações e poemas
Casa Museu Fernando Pessoa


**************************
Fernando Pessoa em toda a sua vida trabalhou com um objectivo: olhar para si, para olhar para todo o Mundo, de forma a compreendê-lo : “ Por isso, conheço-me inteiramente, e, através de conhecer-me inteiramente, conheço inteiramente a humanidade toda”.


De tudo o que Fernando Pessoa escreveu, uma longa e extensa obra, nos poemas que estudámos o poeta aborda muitas vezes os temas da liberdade, do coração, do sonho, da consciência/inconsciência e do pensamento. Em muitos dos seus poemas revela um desejo de liberdade, de ser livre, de não estar preso.

Traços característicos do desejo do poeta de se libertar são a solidão, a inquiteação, a angústia que demonstra nos seus poemas. O poeta revela-nos também a dor de pensar, o desejo que este tem para deixar de intelectualizar as emoções, pois quer permanecer ao nível do sensível para poder desfrutar dos momentos bons da imaginação, mas a constante intelectualização não lhe permite.

O poeta assim sente-se numa constante angústia pois não consegue deixar de raciocinar, sempre que começa a sentir, este automaticamente intelectualiza essa emoção tirando-lhe o prazer de se interiorizar nessa emoção, incapacibiliando-o de ser feliz.

Nos seus poemas o poeta revela o desejo de se libertar de si próprio: “Ter a tua alegre inconsciência, e a consciência disso!”.

Podemos então concluir que o poeta sente com a imaginação e não com o coração, e que não existe fingimento ao criar o poema, mas sim na racionalização dos sentimentos sentidos pelo sujeito poético.



Felizmente há Luar!

Com Felizmente Há Luar! – e à maneira de Bertot Brecht – Luís de Sttau Monteiro pretende “ensinar”, obrigar a reflectir sobre as realidades do seu tempo (1961), analisando as situações através da apresentação de personagens, fora do tempo do espectador, cujos comportamentos valem pela sua exemplaridade.
Pondo em relevo os conflitos entre grupos sociais em 1817, pretende levar o espectador a ver de fora – já que se trata de outra realidade – a analisar e tirar conclusões sobre, por exemplo: 

  • O autoritarismo dos governantes, que não hesitam em perseguir e matar para se manterem no poder e garantirem a “ordem” dos poderosos

  • A prepotência e servilismo das classes dirigentes (representadas por D. Miguel)

  • A interferência da Igreja nos negócios do estado e a sua aliança com o poder autoritário; o domínio pelo terror, em nome de Deus

  • A mesquinhez, oportunismo e imoralidade dos delatores – Vicente, pela traição e a denúncia ganha um posto na polícia; vende-se pelo preço de um emprego

  • A coragem e a honradez dos que lutam pelas suas convicções, independentemente das consequências que possam sofrer; os que não se vendem – General;

  • O peso na consciência dos que podem agir para mudar e não o fazem – Sousa Falcão

  • A coragem e determinação de lutar contra a adversidade – Matilde

  • Os prejuízos causados pelo medo, a falta de determinação, o silêncio face à injustiça – os populares que facilmente se deixam enganar e/ou desistem de lutar

No caso da peça Felizmente Há Luar, as didascálias funcionam como um texto paralelo que enquadra, “traduz”, clarifica / limita a interpretação do texto teatral.

Muitas vezes nem se refere a indicações cénicas: consiste antes em comentários, antecipações, observações, referências psicológicas sobre as acções das personagens...

Ex: “O Principal Sousa, que só no segundo acto se revela inteiramente, apenas pretende salvar a sua consciência (…)”;
“A ingenuidade do Principal Sousa não é verdadeira. Este prelado defende-se, sempre, tentando mostrar-se alheio à política e as decisões em que intervém.”
- “Dois Polícias – iguais a todos os polícias”

- “Três conscienciosos governadores do reino”

Felizmente Há Luar



 Maria do Céu Guerra no papel de Matilde; João d'Ávila, como Sousa Falcão


O teatro defendido por Luís de Sttau Monteiro, à maneira do que então se praticava em muitos palcos da Europa tem como tem como preocupação fundamental levar os espectadores a uma maior consciência sobre o seu presente, a partir da reflexão sobre os acontecimentos passados, alertá-lo e levá-lo a tomar posição na sociedade em que se insere.
Surge assim a técnica do distanciamento, a qual assenta no afastamento entre o actor e a personagem e entre o espectador e a história narrada, para que, evitando a dispersão emocional, possam fazer juízos de valor sobre o que está a ser representado.

Luís Sttau Monteiro pretende, pois, através da distanciação, envolver o espectador no julgamento da sociedade, contribuir para a tomada de consciência crítica. Deste modo o espectador deve possuir um olhar crítico para melhor se aperceber de todas as formas de injustiça e opressões. O teatro assume aqui uma missão social e política, que se compreende melhor se conhecermos as coordenadas do espaço e do tempo L. Sttau Monteiro: .Portugal, 1961



 Crónica de imprensa de José Saramago,

integralmente cortada pela Censura




Questionário sobre FHL, para treino http://aulaportugues.no.sapo.pt/testefelizmente.htm



Responde agora:
1) Em que acontecimentos históricos se baseia a obra dramática Felizmente Há Luar?
2) Sobre que temas/problemas chama a atenção esta obra?
3) Por que motivo foi proibida até 1974?
4) Quais os valores defendidos na peça?
5) Que males são comuns aos regimes políticos e às sociedades de 1817 e de 1961?


Companhia A Barraca

Ler, treinar e saber mais:

  • Treinar/Estudar a peça de maneira informada e criativa (WEBQUEST)

Aqui encontras alguns TEMAS relacionados com os anos 60 (vídeos)
1961 Assalto ao Santa Maria; início da guerra em Angola http://www.rtp.pt/wportal/informacao/50anos_50noticias/50anos50noticias_anos60.php
1969 - Ida à Lua





                                                 

Ver estrelas

"Ler nas Estrelas", na Noite dos Museus

Se as coisas são inatingíveis... ora!

Não é motivo para não querê-las...

Que tristes os caminhos, se não fora

A presença distante das estrelas!

Mário Quintana


Na foto está o Francisco, mas podiam ser muitos de vós.
Nada deve impedir-vos de olhar bem alto, de ver estrelas onde ainda parece só haver neblinas.

 
Parabéns a (quase) todos! Ainda só vi as pautas. Agora irei fazer o balanço. Depois digo.
 
 Em especial, partilho da alegria de todos por ter havido muito bons resultados a Matemática.
 
 
 
Coragem para os que não conseguiram ficar despachados. É voltar à carga, agora com mais empenho. Contem comigo e com os materiais e instrumentos de apoio (podem escrever no blogue, pôr dúvidas, etc.)
 
 
Todos a seguir o seu caminho, sem receios do que têm de enfrentar. Afinal:

Não devemos ter medo dos confrontos. Até os planetas se chocam, e do caos nascem as estrelas.

Charles Chaplin


  Berço de estrelas. Imagem NASA