Total visualizações

24 maio 2018

Exames Nacionais 2018 - Semana de preparação

Como complemento às aulas de preparação para exame realizadas ao longo do ano,vai decorrer, após o final das aulas, uma semana de reforço do estudo. Assim:


Cada professor informará os seus alunos acerca da sala onde decorrerão as sessões. 

Imagem 1 -  http://www.bibliophile.com.br/tag/ilustracao/page/4/

17 maio 2018

AI - homens e máquinas (síntese de artigo)

A Automação é inevitável e as tecnológicas estão a aproveitar 

Artigo de índole científica a falar a respeito da Inteligência artificial (IA), da Robótica, da aprendizagem máquina e das novas áreas de pesquisa como é o caso da aprendizagem profunda.

Manuela Veloso, Diretora do Departamento de Aprendizagem Máquina, da Carnegie Mellon University, prevê que a automação é  inevitável e que nos abrirá oportunidades, algo que grandes empresas, como a Google e a Amazon, já estão a aproveitar. Seja através da compra de empresas mais pequenas que são especializadas no assunto seja através do investimento em desenvolvimento de robôs com as mais variadas funções, estão a elevar um mercado que já não tem nada de pioneiro e é pouco desenvolvido. Justificando o facto com uma empresa, Nvidia, que fabrica chips para a inteligência artificial, sendo em 2016 foi a empresa cotada na bolsa que mais valorizou nos EUA: 238%. 

Os robôs podem ser utilizados em diversos sítios  e funções, influenciando o mundo da forma como o conhecemos, seja na medicina, nos transportes de mercadorias ou mesmo na análise de dados, com os quais começa a ser difícil  lidar, para os profissionais, devido a tanta informação que os artigos publicados e os estudos realizados dispobibilizam. 

Apesar de esta cientista ser otimista em relação ao futuro da robótica no mundo dos humanos, sabe também que há uma série de questões éticas que precisam de ser resolvidas, remetendo para uma regulamentação de robôs e sistemas de IA. 

É abordada ainda a relação humano/robô ao que Veloso responde que terá que haver colaboração entre os dois mundos devido aos últimos saberem pouco e ao facto de haver limitações físicas associadas a estes, também refere que estes libertarão os humanos das funções mais rotineiras para se dedicarem à criatividade. 

Em relação aos empregos que se irão perder devido à automação, Veloso afirma que isso será um problema temporário visto que a Humanidade sempre se soube reinventar e ainda apela à inteligência humana. Nunca esquecendo, todavia, as dificuldades socioeconómicas que esta irá provocar. 

A Professora inventou os “Cobots” cuja principal função é o processamento de informação de espaços físicos, percorrendo  grandes distâncias e executando tarefas que lhe foram ordenadas como procurar pelo portátil da sua inventora. Algo interessante destes robôs é que quando não conseguem realizar uma função, como chamar um elevador, eles pedem a alguém em redor para o ajudar (aprendizagem da máquina). 

Concluindo, Manuela Veloso declara que “a grande ênfase está em tornar as máquinas de IA mais acessíveis aos humanos, do ponto de vista da confiança. Assim, em vez de termos medo, podemos concluir que os robôs estão cá para nos ajudar. E que, no mundo dos robôs há espaço para os humanos”.


Trabalho de Tiago Almeida

Abolição da Pena de Morte - 150 anos (exemplo de síntese de artigos de imprensa)


“Abolir a morte legal deixando á morte divina todo o seu direito e todo o seu mysterio é um processo augusto entre todos. (…) Felicito a vossa nação.”, escreveu Victor Hugo numa carta enviada a Eduardo Coelho, fundador do Diário de Noticias, um dia depois da promulgação da carta de lei, a 1 de julho de 1867, e mais tarde publicada no mesmo jornal.

Aquando da publicação desta lei, Portugal foi considerado pioneiro, não só no contexto europeu mas no contexto mundial, embora a Venezuela tenha sido o primeiro país a abolir a pena de morte para todos os crimes, quatro anos antes.

Apesar de não existir uma razão exata para a abolição da pena de morte em Portugal, há duas ou três explicações possíveis, como os três séculos de Inquisição, um período pombalino violentíssimo, as Invasões Francesas e a Guerra Civil.

Quando a lei ganhou forma, era muita a repercussão nos jornais nacionais e internacionais, e entre as inúmeras mensagens de apoio, existiam também críticas, como o facto de se enviar milhares de pessoas para as colónias. Entre 1870 e 1896, quatro mil degredados são três quartos da população branca em Angola. 

Ainda que a abolição para crimes comuns tenha sido em 1867, a abolição para crimes políticos deu-se quinze anos antes, em 1852. Apesar de terem existido várias tentativas da retoma da pena de morte, como na I República com o assassínio de Sidónio Pais, ou o atentado a António de Salazar em 1937, a decisão nunca voltou atrás, com exceção da reposição da pena de morte para crimes militares em 1916, durante a I Guerra Mundial. Mais tarde, em 1976, Portugal volta a ser pioneiro com a abolição da pena de morte para todos os crimes, sem exceção.

Atualmente, a pena de morte ainda está prevista na lei de 94 países, embora tenha sido aplicada em apenas 23 em 2016. Neste mesmo ano, segundo o relatório anual de Amnistia Internacional, 87% das 1032 execuções ocorreram no Irão, na Arábia Saudita, no Iraque e no Paquistão. Estes números não incluem a China, onde o tema é segredo de Estado e a organização estima que tenham sido executados milhares de pessoas.

Hoje, 2018, a Bielorrússia é o único país europeu que mantém a pena de morte no seu código


 Sousa Dias, A.  Santos, L., Céu e Silva, J., Salvador, S. (2017, julho 12), "1 Julho de 1867 Portugal pioneiro na abolição da pena de morte", in Diário de Notícias. (1)
Tópicos temáticos (para desenvolvimento - G. III de Exame):
- Direitos humanos (direito à vida)
- Papel ativo na sociedade
- Papel da imprensa na discussão de ideias e mudança de atitudes


Trabalho de: Fátima Santos nº8, Filipa Tavares nº9 12ºA

(1) CONSULTAR NORMAS DE CITAÇÃO BIBLIOGRÁFICA (APA)

Imprensa, Jornalismo, Factos (sessões na Biblioteca)

Cartaz da atividade, realizada em colaboração com a Biblioteca
Realização da leitura e síntese dos artigos de imprensa, selecionados pelos alunos, em sala de aula (de 4 a 8 de maio)

Expositor com as publicações ao dispor na BIBLIOTECA/CRE

16 e 17 maio|Sessões com 12º A e 12º B








Informação com princípios


  • Liberdade para pensar

  • Liberdade para informar e ser informado

  • Amor à verdade

  • Respeito pelos factos e pelo conhecimento

  • Elevação e rigor na linguagem

«Este trabalho é dos mais bonitos que já fiz (...) pela sua simplicidade e elegância» 

Helder Maiato,  investigador português, comentando a descoberta científica que fez sobre a separação dos cromossomas durante a divisão celular.

Vê os filmes sobre Jornalismo, no ASAS

 

15 maio 2018

«Fake news»? - o jornalismo na época das redes sociais - Sessão na Biblioteca


16.maio|12ºA
17.maio|12ºB

Em cada uma destas sessões haverá 
  • uma breve apresentação do tema e propósitos da sessão debate
  • o visionamento de filmes que ajudam à reflexão sobre o papel do Jornalismo e da Imprensa na atualidade
  • a apresentação de artigos da imprensa escrita portuguesa sobre temas de atualidade, trabalhados em aula
  • reflexão/debate
Os media (Jornais e revistas) escolhidos foram:
  • EXPRESSO
  • PÚBLICO
  • VISÃO
  • QUERO SABER
  • COURRIER INTERNATIONAL - PORTUGAL
  • NATIONAL GEOGRAPHIC - PORTUGAL

10 maio 2018

Exames Português 12º - 2013-2017 (III)

Agora, é só pensar e escrever.  Com base no artigo que escolheste ou nos outros textos que a turma trabalhou, «atira-te» a um dos temas propostos!
David Larson Evans – Just Thinking
GRUPO III

  Prova 639.2013. 1.ª F.
A juventude é uma fase da vida frequentemente associada à esperança e à vontade de mudança.
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, apresente uma reflexão sobre o papel dos jovens enquanto agentes de transformação da sociedade.
Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.

Prova 639.2013. 2.ª F.

O artigo 1.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem proclama que todos os seres humanos devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras,
apresente uma reflexão sobre a importância da fraternidade na sociedade contemporânea.

Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.


Prova 639.2014. 1.ª F.

Para uns, a ambição está na origem de todas as conquistas humanas; para outros, a ambição é a causa de muitos dos problemas da humanidade.

Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, desenvolva uma reflexão sobre a afirmação apresentada.

Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.


Prova 639. 2015, 1.ª F.
Quer no espaço público quer no espaço privado, somos permanentemente sujeitos a estímulos sensoriais (visuais, auditivos, olfativos...), por exemplo, através de campanhas publicitárias. Se, por um lado, essa experiência pode ser considerada enriquecedora, pode, por outro lado, ser perspetivada de forma negativa.
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, defenda um ponto de vista pessoal sobre a problemática apresentada.
Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo. 


Prova 639. 2014. 2.ª F.
O ser humano é muitas vezes colocado perante a necessidade de optar entre o conformismo e a coragem de assumir riscos.
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, defenda um ponto de vista pessoal sobre o modo como esta opção é vivida na atualidade.
Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.



Prova 639.2015, 2.ª F.
Ao longo da história, a crença em ideais (religiosos, políticos, ou outros) tem assumido um papel importante para o ser humano.

Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, defenda um ponto de vista pessoal sobre a importância dos ideais para os jovens, na atualidade.
Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.


  Prova 639 2016, 1.ª F.
Ante os múltiplos desafios do futuro, a educação surge como um trunfo indispensável à humanidade na sua construção dos ideais da paz, da liberdade e da justiça social.»

Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI,
1998, p. 11
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, defenda um ponto de vista pessoal sobre a ideia exposta no excerto transcrito.

Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.

  Pintura|Thinking Men, Linda Apple
  Prova 639 2016, 2.ª F.
A passagem do tempo é vivida por cada ser humano em função das circunstâncias em que se encontra.
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, defenda um ponto de vista pessoal sobre o modo como o ser humano vive a passagem do tempo, na atualidade.
Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.


 Prova 639 2017, 1.ª F.

 «A memória age como a lente de uma câmara escura; reduz todas as coisas e, dessa forma, produz uma imagem bem mais bela do que o original.»                    
Traduzido a partir de Arthur Schopenhauer, Parerga and Paralipomena,
Vol. I,Oxford, Clarendon Press, 1974, p. 447 (adaptado)
Será que a memória permite sempre construir uma imagem idealizada do passado?
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, defenda uma perspetiva pessoal sobre o modo como o passado é percecionado através da memória.

Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.


 Prova 639 2017, 2.ª F.
Se, para uns, a conquista de uma vida melhor é o principal objetivo, para outros, a luta pelo bem comum sobrepõe-se aos interesses individuais.
 Será que estas duas perspetivas se podem conciliar na sociedade atual?
                                                                                                                         
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras, defenda um ponto de vista pessoal sobre a questão apresentada.

Fundamente o seu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustre cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.